TRATAMENTO CONTRA COCAÍNA

 Caso o paciente esteja usando a cocaína, já há muito tempo, e apresentando síndrome de abstinência, é quase sempre necessário que passe por uma desintoxicação.

É fundamental para este tratamento conhecer se o dependente é também usuário de outras drogas, em conjunto com a cocaína, que é o caso da maioria dos dependentes químicos.

Com o passar do tempo de desintoxicação, mais ou menos de cinco a dez dias, o paciente pode iniciar o tratamento de recuperação, que consiste sessões terapêuticas, de preferência do tipo comportamental-cognitiva; terapia medicamentosa e laborterapia. 

Tratamento familiar: para que o tratamento do paciente tenha efeito é necessário que sua família frequente grupos de apoio.

Caso esta família seja disfuncional ou complicada, todos os seus membros importantes para o tratamento devem se submeter a terapia familiar, com um terapeuta especializado em família. 

TRATAMENTO CONTRA LSD

 

O LSD, acrônimo de dietilamida ácido lisérgico, produz grandes alterações no cérebro, atuando diretamente sobre o sistema nervoso e provocando fenômenos psíquicos, como alucinações, delírios e ilusões.

É uma substância sintética, produzida em laboratório, que adquiriu popularidade na década de 60, quando não era vista como algo prejudicial à saúde.

Pode ser consumida por via oral, injeção ou inalação, e se apresenta em forma de barras, cápsulas, tiras de gelatina e líquida; seus efeitos duram de oito a doze horas.

Os efeitos físicos dessa droga são: dilatação das pupilas, sudorese, aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, aumento da temperatura, náuseas, vômitos.

Os sintomas psíquicos são alucinações auditivas e visuais, sensibilidade sensorial, confusão, pensamento desordenado, perda do controle emocional, euforia alternada com angústia, dificuldade de concentração.

É importante destacar que os efeitos do LSD dependem do ambiente, da qualidade da droga e da personalidade da pessoa.

O LSD é mais usado por adolescentes e jovens, com o intuito de ter visões e sensações novas e coloridas, pois as formas, cheiros, cores e situações se modificam, levando a pessoa a criar ilusões e delírios, como por exemplo, paredes que escorregam, mania de grandeza e perseguição.

Pode ocorrer também um “flashback”, fenômeno onde são sentidos os efeitos da droga após um período de semanas ou meses sem usá-la.

O LSD é conhecido também com outros nomes como doce, ácido, gota, papel, microponto.

 

TRATAMENTO CONTRA HEROÍNA

 

 A heroína é uma droga derivada da papoula, sintetizada a partir da morfina: substância bastante utilizada no século XIX pelas suas propriedades analgésicas e antidiarreicas.

Como outras drogas originárias desta planta, a heroína atua sobre receptores cerebrais específicos, provocando um funcionamento mais brando do sistema nervoso e respiratório

.

Apresentando-se em sua forma pura como um pó branco de coloração esbranquiçada, é utilizada mais frequentemente de forma injetável, após aquecimento.

Além disso, alguns usuários a inalam ou aspiram.

Seus efeitos duram aproximadamente cinco horas, proporcionando sensações de bem-estar, euforia e prazer; elevação da autoestima e diminuição do desânimo, dor e ansiedade.

Como esta droga desenvolve dependência e tolerância de forma bastante rápida, o usuário passa a consumi-la com mais frequência com o intuito de buscar o mesmo bem-estar provocado anteriormente, e também de fugir das sensações provocadas pela abstinência.

Essa, que surge aproximadamente vinte e quatro horas após seu uso, pode provocar diarreia, náuseas, vômitos, dores musculares, pânico, insônia, inquietação e taquicardia.

Assim, formas de obtê-la passam a ser o foco de suas vidas, gerando consequências sérias.

Constantes vômitos, diarreias e fortes dores abdominais, perda de peso, depressão, abortos espontâneos, surdez, delírio, descompassos cardíacos, incapacidade de concentração, depressão do ciclo respiratório, colapso dos vasos sanguíneos; além de problemas relacionados às interações sociais e familiares são algumas consequências que o usuário está sujeito, em médio prazo.

Além disso, no caso de pessoas que a utilizam na forma injetável, há chances de ocorrer necrose de tecidos e de se adquirir diversas doenças, como AIDS, hepatites e pneumonias, em decorrência da utilização de seringas compartilhadas.

A maioria dos casos de morte por overdose é consequência de paradas respiratórias decorrentes de seu uso prolongado, ou de uso concomitante com outras drogas.

 

TRATAMENTO

CONTRA CRACK

​O crack é uma droga que causa dependência com muita rapidez.

Para o usuário se recuperar, a ajuda precisa vir na mesma velocidade.

O primeiro passo é buscar ajuda de profissionais especializados e iniciar o tratamento contra o crack.

No Brasil existem instituições que prestam atendimento tanto para a família quanto para o dependente.

 Há diversas abordagens para quem deseja se recuperar da dependência do crack.

Não há um tratamento para crack único, que seja apropriado para todos os casos.

Há um consenso de que a dependência exige um tratamento para crack difícil e complexo, pois é uma doença crônica e grave que deverá ser acompanhada por longo tempo.

Técnicas e sistemas podem ser combinados sempre que necessário, de acordo com tipo de ambiente, intervenção e serviço mais adequado para cada problema ou necessidade do paciente.

Buscar a modalidade que melhor se encaixa em cada caso contribui para o sucesso na recuperação e para o retorno a uma vida produtiva na família, no trabalho e na sociedade.

Como outras doenças crônicas, os dependentes necessitam de longo tratamento de crack e acompanhamento.

 

TRATAMENTO CONTRA ANFETAMINA

 

As anfetaminas são drogas estimulantes, ou seja, estimulam o sistema nervoso central, provocando aumento das capacidades físicas e psíquicas.

Os efeitos que podem ser sentidos no corpo são: dilatação da pupila, aumento da pressão sanguínea, aumento do número de batimentos cardíacos.

Anfetaminas são drogas sintéticas, fabricadas em laboratório.

As anfetaminas provocam dependência física e psíquica, o uso frequente pode ocasionar tolerância à droga e diante da suspensão poderá ocorrer também a síndrome de abstinência.

As anfetaminas são facilmente encontradas em farmácias e usadas principalmente em regimes de emagrecimento e como estimulante, pois inibe a fome e proporciona euforia, maior resistência e melhor concentração, porém as farmácias são obrigadas a vendê-las sob prescrição médica.

 

TRATAMENTO CONTRA REBITE

 

É uma droga derivada de anfetaminas que estimula o sistema nervoso central fazendo com que ele tenha um ritmo mais acelerado de trabalho.

Seu nome varia de acordo com seus usuários.

São usadas por motoristas que pela necessidade de dirigir bastante entre dias e noites sem descanso tomam a droga, por estudantes que passam dias e noites estudando e por pessoas que querem emagrecer por conta própria.

Normalmente são ingeridos com bebidas alcoólicas para potencializar seu efeito.

Conhecida pelos motoristas como rebite e pelos estudantes e outros como bolinha, a droga é sintética, ou seja, é produzida em laboratório onde algumas podem até ser comercializadas como remédios.

O rebite afeta várias áreas comportamentais do organismo.

A pessoa apresenta um quadro de insônia, perda de apetite, fala rápida, sente-se revigorado fazendo com que o organismo trabalhe de forma excessiva e acima de suas condições reais.

Após passado o efeito, muitos tomam outra dose para continuar seus afazeres, porém a droga passa a ter sua eficiácia reduzida pelo fato de que o organismo já está cansado, fraco e sem condições de manter o “pique” desejado.

Entre os efeitos já citados, podemos ainda mostrar o que ela inda pode fazer no organismo.

A droga produz a dilatação dos olhos causando maior ofuscamento, taquicardia, aumento da pressão sanguínea, agressividade, irritação, delírio percecutório, alucinações, paranoia, palidez e degeneração das células cerebrais.

O uso contínuo dessa droga leva o organismo a acostumar-se com tal substância fazendo com que o usuário tome doses cada vez maiores.

Tal fato atenta para o vício e para a síndrome da abstinência.

Algumas pessoas quando não consomem a droga ficam depressivas ou irritadas, entretanto, não é uma regra geral

 

 

 

 

 

 

TRATAMENTO CONTRA ALCOOLISMO

 O Programa de tratamento e recuperação mais conhecido é os Alcoólicos Anónimos, com o núcleo do programa de recuperação individual dos 12 passos.

​Os Alcoólicos anónimos são uma comunidade de tratamento de alcoolismo e funcionam como uma comunidade terapêutica, onde pessoas com os mais variados tipos de dependência e abuso do álcool partilham entre si as suas experiências.

 Pessoas ligadas entre si com o mesmo objetivo, o de se ajudarem mutuamente na recuperação da dependência do álcool e uma consequente integração social.

O único pré-requisito para o tratamento do alcoolismo e para aderir a uma comunidade de Alcoólicos anónimos (AA) é o desejo de recuperação, ou seja parar de beber.

​Terapias complementares a um programa de desintoxicação e reintegração de um alcoólico no tratamento do alcoolismo.

​Tratamentos Psicossociais – Identificação e Tratamento dos transtornos causados pelo uso do álcool.

​Terapias emocionais – Apuram as causas emocionais dos desequilíbrios e trabalham as limitações do individuo que impulsionam ao consumo e abuso do álcool.

​Terapias comportamentais (Individual e conjugal) – Geralmente, este tipo de terapia aborda a terapia conjunta.

Foca-se também numa integração a nível do trabalho começando pela procura de emprego, aconselhamento sobre atividades sociais e recreativas que ajudam o equilíbrio emocional.

​Terapias comportamentais Cognitivas – Focam e melhoram o autocontrole e das habilidades sociais levam consistentemente à redução do alcoolismo

Terapias Psicodinâmicas/interpessoais – experiências realizadas por Grupos de Psicoterapia Psicodinâmica

Terapia Conjugal e Familiar – Esta é uma abordagem do estado relacional entre o paciente com o cônjuge e respectivos familiares.

 

    TRATAMENTO     CONTRA-LANÇA           PERFUME

 

Em média, são dez segundos de efeito produzidos pelo lança-perfume ou “loló”, ambos compostos de cloreto de etila, uma substância obsoleta na medicina.

Segundo médicos especialistas na aréa de dependencia química afirma que o uso frequente do produto pode causar dependência física e levar a pessoa a usar outras drogas.

“Se o usuário tiver problema cardíaco, o produto pode causar uma parada cardíaca. Se for asmático, pode desencadear outras complicações chegando a uma parada respiratória”, disse o médico.

Dependendo da dosagem a ser utilizada, o usuário pode também desmaiar ou sentir escurecer a vista e até querer vomitar.

Quando associada à bebida alcoólica, a situação pode piorar.

Para os usuários que pensam que o lança-perfume tem apenas efeitos passageiros, o médico ressaltou que os efeitos colaterais podem ser duradouros e trazer complicações mais graves.

Ele não tem dúvida quando assegura que o lança-perfume é a porta de entrada para outras drogas mais pesadas como maconha, cocaína, crack e ecstasy. “Se começa na brincadeira de carnaval e, com o tempo, o lança-perfume não faz mais efeito e a pessoa passar a buscar outra substância mais potente”.

 

 

TRATAMENTO contra

 MACONHA 

 

O tratamento para maconha é em sua maior parte terapias, como a entrevista motivacional, terapia cognitiva comportamental e manejo de contingências baseando-se na filosofia de Narcóticos Anônimos conhecido também como Programa dos 12 Passos.

​O plano de tratamento de drogas para dependentes  de Maconha que nós oferecemos, foi elaborado visando o que há de mais moderno na reabilitação de drogas, acompanhando as pesquisas científicas mundiais que mostram a eficácia das técnicas.

Desta maneira, a reabilitação do paciente é voltada para o âmbito biológico, psicológico e social, esta tríade de tratamento permite ao paciente entender os aspectos da dependência de drogas e todos os processos que o leva ao abuso da substância.

Desta maneira a reinserção à sociedade torna-se mais segura e consequentemente diminui o risco de recaída.

O tratamento para maconha envolve uma grande diversidade de terapias, cada uma age sobre algum tipo de deficiência da vida do dependente químico, que são deficiências biopsicossociais.